Dia Nacional do Combate à Escravidão

Você sabe o que fizemos durante o ano de 2020_ (5)
Postado em 01-29-2021 às 0:08 por agentecidadao

Hoje, 28/01, é o Dia Nacional do Combate ao Trabalho Escravo, destinado ao fenômeno contemporâneo capitalista da lógica escravista, distinta da que conhecemos dos períodos colonial e imperial, quando as vítimas eram presas por correntes. A data foi escolhida em homenagem aos auditores fiscais do trabalho que foram assassinados durante uma investigação em Unaí, Minas Gerais. 

O trabalho escravo contemporâneo é, no Brasil, por lei, caracterizado por trabalho forçado, jornada exaustiva, servidão por dívidas e condições degradantes. No mundo, existem cerca de 40,3 milhões de pessoas em situações de escravidão moderna e, no Brasil, são quase 370 mil, segundo o Índice Global de Escravidão 2018, publicado pela fundação Walk Free. O mesmo estudo mostra que o segundo setor que mais escraviza, é a indústria da moda, e afetam em sua maioria, mulheres. 

Para estimular o consumo desenfreado e maximizar o lucro , as redes de fast-fashion barateiam ao máximo a mão de obra e consequentemente o preço do mercado, oferecendo situações de extrema precariedade e exploratórias de trabalho. Em sua maioria, a força de trabalho é composta por pessoas invisíveis às instituições governamentais, sem documentos básicos como certidão de nascimento ou carteira de trabalho. 

Nós, enquanto consumidorxs, precisamos ter consciência e responsabilidade nas nossas escolhas de compra e onde investimos nosso dinheiro, o consumo é um ato político. 

Pressionando as marcas por mais transparência, estimulamos a não aceitação de cadeias de produção exploratórias de grandes nomes da fast-fashion.

A vida de quem produziu a sua roupa, vale mais ou menos do que o preço, quantidade e variedade de peças do seu armário?

Quem fez as suas roupas?